Follow by Email

sábado, 26 de julho de 2014

Dona ‪#‎LucéliaSantos‬, aqui de maneira nada anonima se expõem um professor do ensino médio de ‪#‎PERNAMBUCO‬, mas gostaria de que vossa me chamasse de ‪#‎BODOCÓ‬. Espero que entenda minha indignação, mas se não entender, fica por isso mesmo, vou tentar usar o minimo de "pernambuquês" para lhe dirigir essas palavras, veja:
1º. Não confunda linguística com a incapacidade de "UM" professor que organiza uma pergunta.
2º. Vossa senhoria falou tanto de educação em seu espetáculo, bom dia, boa tarde, obrigado, etc, etc... Porem percebo que não foi feliz no uso desta...
3º. Já que sua apresentação, do ponto de vista de logística, não foi das melhores, humilde podemos dizer, por que a humildade te escapou no final...?
Tens uma história admirável, meu respeito total, mas levasse uma queda "da foice" (isso é pernambuquês) em meus conceitos...
Termino assim:
Lucélia santos um nome brilhante
Que fez da arte amor verdadeiro
Perdoe o poeta matuto brejeiro
Talvez o meu verso a tu não encante
Ele é simples porem cativante
Mas aqui ele veio para criticar
Meu visse, meu "ôxe", meu pronunciar
Pernambuquês, Sertão de tez nordestino
Num vai ser um sulista ou sudestino
De cara risonha querer me humilhar

Se tinha intenção? acredito que não
Espero em Deus seja essa a verdade
Meu lugar é singelo mais tem qualidade
Que Dez dos São Paulo conseguir não vão
Meu povo tem fé e tem oração
Meu povo é matuto pode acreditar
Nossa fala é brilhante e cheia de rima
É obra de Deus, mais pura obra-prima
Caatinga, Agreste a Mata e o Mar

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Doutor das Merdicina

E o protesto agora é contra a proposta dilmarussefiana de trazer médicos estrangeiros para atuarem na precária saúde publica brasileira... Pois nesse ponto sou mais ou menos a favor da ideia da chefe, vejam por esse lado:

Os médicos brasileiros reclamam de salários, muitos ganham mais que o judiciário, só não ganham melhor que professor, porque nesse país educação é o primeiro plano... Deixando a ironia de lado, talvez médicos estrangeiros respeitem mais o povo brasileiro... Já que santo não obra milagre em casa... Sei que pouquíssimas vezes encontramos filas em hospitais, pessoas jogadas a sorte nos corredores da morte sem crime...  Mas ai você na sua santa concepção politizada e politicamente politicaria... Me diz: a culpa é do governo! Concordo com você a culpa é do governo... Mas digo sem medo de errar... Muito da culpa também são dos nossos santos médicos, infelizmente considerando o lento processo de emancipação brasileira, principalmente etnemacitilop, isso enxergo assim de contrariamente... Os “Doutores”, sem doutorado, acreditam não, tem certeza que vivem ainda na época das oligarquias, onde os bachareis davam o anel do entendimento... Sendo o deus, digo o homem mais importante da vida de uma cidade... Os tempos mudaram mais o entendimento não... Enquanto há filas nos hospitais, tem “doutores” bem sentados em suas salinhas... Dormindo em plantão, comendo café com pão e mortadela “Bolonha”, quando em vez fazendo uma consulta e para stress receitando bezetacil... Talvez o estrangeiro não entenda quando eu disser dor no “pé du bucho”... Mas se ele olhar na minha cara e demonstrar 10 gramas de atenção já valeu os 10 mil que vai receber...                   

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Nesse país de Meu Cristo


De gente tão cordial


Onde a moeda é o real


E futebol é bem visto


O nordestino é um cisto


Doença pra eliminar


Então é melhor gastar


Com estadio e putaria


Do que com a agonia


Dessa Seca de Torar
Meu Senhor que pai dos homi

Desse sertão todo laxado


Não um pobre coitado


Mas estou passando fome


Mas minha fome não se come


Em pratos de porcelana


É uma fome "Cabana"


È uma fome insana


Fome talvez cangaceira

Fome talvez "Canudeira"


É fome de contestado

Vontade de dignidade


De ter a capacidade


De poder, poder fazer


E quem sabe então comer...


Dessa tal humanidade....

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O Sequestro

Seu filho esta em nosso poder.
Se Quiser o menino de volta siga as instruções:
Ponha 500 mil libras numa mala preta e deixe atrás da banca de jornal da estação de trem às 10h50
Pegue o trem das 11h.
Se ficar alguém vigiando a mala , o menino MORRE!

I

          Em um dia de verão de 1934, eu voltava da Mesopotâmia onde fui passa as ferias, meus avos por motivos próprios estavam morando lá. Bem mais isto não vem ao casso. Eu embarquei em alguns trens de volta para Londres, me lembro perfeitamente, que ao embarcar no Expresso do Oriente, que era meu ultimo embarque, eu passei a viagem totalmente distraindo olhando para uns cartões de beisebol que meu avô me deu.

II

        Willian o criado encarregado de me busca na estação, ao chegar em casa encontrou meu pai, Nortor P.C, totalmente desesperado com um bilhete na mão. (Willian não entendeu o que estava acontecendo) Meu pai perguntou onde eu estava: Willian explicou que eu não apareci na estação de trem e cerca de 2 horas mais tarde ele voltou para casa com o pensamento que eu viria outro dia.
         Meu pai se desesperou mais ainda e resolveu mostra o bilhete ao nosso criado. Ao termina de ler Willian sugeriu ligar para um investigado particular, meu pai ficou com medo, pois se os sequestradores descobrissem poderiam me matar. Minha mãe Giselle convenceu meu pai que, seria o melhor, e ordenou que Willian liga-se para um ex-investigador chamado Dorisglayson Tayllor.

III

            O detetive Dorisglayson Tayllor estava em sua casa conversando com um rapais francês de uns 18 a 20 anos de idade, seu nome era David Huhlvan.
Eles falavam de investigações e homicídios do passado, e foi no meio de umas dessas historias que o telefone tocou e ambos ficaram a par de tudo.
              Mr. Tayllor e M. Huhlvan foram imediatamente para minha casa, ao chegar, interrogaram Willian que por sua vês disse que ‘’eu iria desembarcar do Expresso do Oriente as 17h e que ele ficou na estação ate as 19h e como não avia me encontrado regressou de volta para casa. ’’
           Os investigadores ficaram pensativos em relação a historia de Willian com o bilhete, o detetive dorisglayson sugeriu que eu havia sido raptado antes de chega a Londres. Mr. David achou estranho o fato da carta te chegado tão rápido na milhar residência. No lar da família P.C.
Então para tira a historia a limpo foram até a estação de Londres a procura de pistas.

IV

         Ao chegarem à estação, eles perguntaram aos funcionários se eles haviam visto um garoto loiro, de olhos  azuis, com idade de uns 12 ou 13 anos. Mais infelizmente todos responderam que não.
Quando os investigadores resolveram volta para a mansão, David Huhlvan olhou para o chão e recolheu um pedaço de papel com algo rabiscado, e colocou em seu bolso.

V

          Ao chegarem em minha casa, eles interrogaram meus pais individualmente. Minha mãe entrou desesperada no escritório, pois ela sempre foi apegada a mim, o detetive Dorisglayson tentou deixa-la tranquila. Enquanto a David, perguntou o que ela achava do bilhete e do sequestro, isto é se foi realmente um sequestro, ela respondeu que não havia entendido a pergunta Mr. Huhlvan foi mais claro, perguntou se não havia possibilidade de eu, P.C. júnior, ter fugido, minha mãe respondeu em imediato que, em hipótese alguma eu teria fugido e que este sequestro veio somente para acaba com a felicidade de nossa família. E disse que com certeza eu deveria esta desesperado e mais agora que eu estava tão feliz em ter ganhado os cartões de beisebol de meu avô. Minha mãe caiu em prantos e M. tayllor tentou mais uma vês acalma-la, ela se levantou e começou a anda em direção a porta, David abri a porta e pediu para Willian prepara um chá para a ilustre Ms. Giselle.
          Em seguida meu pai entrou no escritório Mr. Huhlvan lhe ofereceu uma cadeira, ele aceitou, Mr. tayllor perguntou ao meu pai se eu já havia fugido de casa ou algo parecido. Meu pai respondeu que não, David perguntou se ele teria um outro endereço ou uma casa pequena em Londres. Meu pai respondeu que sim, que tinha uma pequena cabana fora da cidade cerca de uns 30 quilômetros em direção ao leste, então passou o endereço, e mais uma vez repetiu que eu não havia fugido, que eu não era disso, Mr. Huhlvan tentou acalma meu pai falando que foi apenas uma sugestão, meu pai levantou-se totalmente furioso e sai do escritório batendo a porta.
        David Huhlvan falou para Mr.Dorisglayson que iria sai, mais deixou Mr. Tayllor encarregado de coloca a todos dentro do escritório e que todos permanecessem lá.

VI

        O relógio marcava 2h da manhã quando um carro parou em frente à casa de meus pais, Mr. Huhlvan desceu do carro com alguém e passou diretamente para o escritório onde todos estavam reunidos, ao entrar David estava desacompanhado. E começou a fala em alto e bom tom que o mistério havia sido desvendado. E então ele começou a conta os fatos.
       Mr. Huhlvan declarou que eu havia desembarcado em Londres e que eu realmente havia sido raptado na estação.
       Mais quem haveria ter feito isto?
       E qual era a prova que eu desembarquei?
      Bem, para quem ainda não sabe aqui esta as dicas. O pedaço de papel que Mr. David Huhlvan recolheu na estação nada mais era que um de meus cartões de beisebol, com uma dedicatória de meu avô para mim. E ai esta a confirmação que eu realmente desensaquei do Expresso do Oriente. Tá, mas como é que o detetive sabe que eu não fugi que eu realmente fui sequestrado? Pelo bilhete? Não! Pois eu mesmo poderia te-lo forjado. Então como?
         Aqui esta a resposta Mr. Huhlvan tem um amigo, um certo detetive belga. Que sempre diz que ‘’conversando com alguém, esse alguém acaba falando de mais. ’’ E por mais incrível que pareça foi isto que aconteceu.
       Então o detetive falou com a vos mais firme do que nuca, que quem havia me raptado era ninguém mais ninguém menos, que minha própria mãe Giselle!
       Mais como? Vocês devem esta se perguntando.
       Então eu coloco as cartas na mesa, quem mais sabia que eu tinha ganhado os cartões de beisebol, ha não ser eu meus avos e quem me sequestrou? Giselle falou que eu deveria esta muito feliz, principalmente agora que eu tinha ganhado os cartões de meu avô,
        Giselle começou a rir e falou que David estava de parabéns e declarou que eu não passava de um bastardo inútil e que me mataria com alguém vigiando a mala ou não.
        Dorisglayson declarou ordem de prisão a ela. Meu pai se desesperou e perguntou onde eu estava Giselle respondeu que,ele nuca iria me encontra. David disse que isto não era verdade, se virou para a porta e quando ele abril, lá estava eu, P.C. Júnior, sã e salvo. Mais como? Giselle havia me dopado com éter e me levou para a velha cabana de meu pai e ao retornar para casa, entregou pessoalmente o bilhete ao meu pai alegando que estava na caixa do correio,
        Bem, mais tudo acabou se resolvendo, Giselle foi pressa e cometeu suicídio dois meses depois.
        Há é, e Willian como ele não me viu desembarcar do trem. Isto ele só iria fala se alguém apontasse um revolver para sua cabeça. Mais isto para me é algum muito simples, Willian realmente estava na estação de trem, mais do outro lado, tendo uma consulta com Vera Stteo, uma vendedora de jornal que era vidente nas horas vagas.



Franciedson J. da Silva 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

De Luiz Taiguara - meu Aluno CDCA

Dia de torneio festa e reunião

Todo mundo ali no meio pra ganhar do campeão
O mundo concentrado nas artes marciais
É montado a chave de combate dos rivais.

No decorrer do tempo os estranhos em festa
Um ser supremo e 2 com M na testa
Agora é Gohan contra o Okibito
Pede pra liberar o poder e ele libero.

Dois caras atacam e absorve energia
Levam até seu amo controlado por magia
Goku e Companhia segue o supremo kaio
Que sem saber de nada o supremo explico.

A existência de um ovo que existe por aqui
Do poderoso Majin Boo
Que o mago Babidi quer, pra realizar sua ambição
Libertar ele do ovo e ver a ressurreição.

Tentam impedir mais foi tudo em vão.
Naquele momento sai do ovo o rei da destruição
Gohan o enfrenta até energia chegar ao fim
E em seguida vem o príncipe dos sayajin.

Vegeta lutando furioso ficou

Com o ultimo ataque se sacrificou
E sobrou pra Piccolo levar as crianças
Lá pro templo de kami-sama.

Como ultima esperança Goku ensina a fusão
Trucks e Goten tem o mundo nas mãos
Boo localiza os lutadores pelo "Ki"
E elimina os terráqueos que abitam por aqui.

Após o treinamento na sala do templo
A luta começa e continua o tormento
Gotenks contra Boo e Piccolo no deserto
Goku no outro mundo torcendo pra dar certo.

Mas não deu, Gotenks tava pra perder
E do nada vem Gohan com o super poder
Treino com a espada Z atingiu o poder Maximo
Boo apanha feio e vê que a luta não ta fácil.

Boo teve a idéia de desaparecer

Depois volta com a tática pra absorver
Gotenks e Piccolo foi fonte de energia
Pro demônio lutar assim como queria.

O problema tava serio Gohan não era capaz
De salvar o mundo e manter ali a paz
Dai o kaioshin deu sua vida ao sayajin
Que voltou e lutou com o demônio até o fim.

Luta pelo mundo decisão de vez
Majin Boo contra Goku super sayajin 3
A pedido do Enma Dayo vegeta volta pra lutar
Com a idéia de ganhar vencer e se vingar.

Mais logo ele percebe que não tinha razão
Pede para reunirem as esferas do dragão
Vegeta teve a idéia de fazer a genki dama
Ele pede a energia e os terráqueos reclama.

Após a conclusão o ataque brutal
Depois da explosão resultado final
Vegeta cumprimenta e vê que foi um sucesso
Goku mais uma vez é o melhor do universo.


 

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Amada Clareza

DESCREVO-TE SUTILEZA

RAINHA DE PURA BELEZA
PUREZA MENINA, CANDURA
LUA CHEIA EM NOITE ESCURA

PERFIL NOBRE REALEZA
DOS ENIGMAS A CLAREZA
POESIA PERFEITA LEITURA
RENACENTISTA ESCULTURA

AMADA DEUSA MENINA
CUJA VONTADE FELINA
ME FAZ SEGUIR-TE, GUIA

MINHA ALMA PEQUENINA
QUE AO TE VER DESATINA
NUMA LOUCA IRONIA

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

ALEGRIA PLENA

Descrevo-te como luz

Caminho a se seguir
Canção pra se ouvir
Melodia que seduz
Um sorriso que traduz
A mais perfeita alegria
És então fantasia?
És tão somente infante
De modo tão cativante
Que parece poesia


Minha epiderme alma
Tu que esperas outro dia
Quem percebe a ironia
Desconhece bela calma
Os deuses batendo palma
Apoteose singela
Felicidade revela
Deusa menina encantada
Estais aqui, minha amada
Minha pequena cinderela...


A minha Bela Leticha... 7ª D
 

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Gentelmente

O DESEJO DE SER GENTE ME SEGURA
NÃO AQUELA GENTE SEM MENTE
NO QUAL O DINHEIRO ENVOVENTE
LHE CORROMPE O SENTIDO, AMARGURA

QUERO SER GENTE SEM FRESCURA
GENTE QUE VIVE O PRESENTE
GENTE DE JEITO INOCENTE
QUE NÃO PRECISA DE USURA

COMO DIZIA A CANTIGA
CANTADA POR UMA AMIGA
GENTE SEM SER GENTE DEMAIS

NÃO SE ENVOLVER COM INTRIGA
QUE O CAMINHO CERTO SIGA
E QUE O BEM PELO BEM FAZ

DISCURSOSEMCURSO

ENTÃOMEPEGUEIPENSANDOSETODA
QUESTÃOREFERENTEAO
QUEPENSOESTACAMINHANDOPARA
UMACERTEZAQUETALVEZ
EUNUNCACOMPREENDAPROCUROSENTIDO
NOQUEFAÇONAFORMA
COMOFAÇOMASACABAPORVENTURASE
TORNADOSEMSENTIDOPORQUE
MEPERGUNTOACREDITOQUEOSIMPLES
FATODEPENSARJASETENHAUMPESO
IMENSOMASMEDECIDOPORCONTINUAR
PENSADOEFAZENDOSENTIDOOUNÃO
ÉMELHORQUEAINERCIAQUE
SEENCONTRAROSQUENAOPENSAM.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

II Banzo África da Escola Anete Vale

          Na ultima semana de Maio a Escola Anete Vale de Oliveira, do município da Pedra - PE realizou mais um grande evento, pelo 2º ano, em atendimento a Lei 10636/03, da implantação da Historia e Cultura africana e afro descendente na grade curricular das escolas de todo país, o II Banzo África, que também louva o 25 de Maio "Dia da África no Brasil". Foi uma semana de oficinas artísticas, contemplando musica, dança (maracatu, coco), artesanato, produção cultural (teatro), capoeira, esse ano inovando com uma oficina de culinária afro e afro descendente, dada pelas cozinheiras (Nenê, Maria e Coca) as nossas educandas. O ponto maior das manifestações se deu no dia 27/05 sexta feira, quando ouve a culminância do projeto: apresentações das oficinas trabalhadas durante a semana, mostra dos levantamentos estatísticos sobre a temática, dos trabalhos artísticos construídos durante o processo, Baianas, Orixás, e sincretismos e um recital poético oferecido pelos educandos da escola, com poesias africanas e afro-brasileiras, um grande trupé com o Samba de Coco Brincadeira de Criança da Escola Anete Vale. Um trabalho interdisciplinar que contou com o apoio de todos os que fazem educação acontecer... Parabéns Anete Vale!!!










http://www.xisclub.com.br/drops/cultura-africana-em-escola-da-pedra/

http://www.darciorabelo.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2280:cultura-africana-em-escola-na-pedra&catid=1:arcoverde-news&Itemid=17

http://portaldosertaoinfoco.blogspot.com/2011/06/cultura-africana-em-escola-da-pedra.html

sábado, 14 de maio de 2011

CoNfUsO sErMãO I

Demasiam saberes hipócritas do mundo
Os que assassinam a razão sem razão
Migalhas de conhecimento são dadas como pão
As mentes famintas dos pobres vagabundos
Mesmo que o sonho inda seja fecundo
Se perde no caos infeliz ironia
Me torno quadrúpede, eqüina alegria
Se luto é perdido, mas vou mesmo assim
Sou eu por eu mesmo, ninguém é por mim
Se eu soubesse o saber, feliz então, não saberia.



DOIS E UM PARA VOCE, TE SONHANDO







JENJUAR TUA PRESENÇA
ALMENTA O MEU DESEJO
NENHUM BRILHO OU LAMPEJO
ILUMNINA ESTA LEMBRAÇA
CULTIVO ENTAO ESPERANÇA
LANÇANDO GRÃOS AO LUAR
E MINH’ALMA A ESPERAR
IMAGINADO COLO TEU
DEITADO EM BRAÇOS MEUS
ENCANTANDO-ME TEU AMAR

MANTENHO-ME ENTÃO TRISTONHO
ESPERANDO VER-TE AQUI
NOS MEUS DIAS EXISTIR
IMAGINAR ME PROPONHO
NUNCA SERÁ ENFADONHO
ALCANÇAREI MEU DESEJO
BEBER DE TEU BRANDO BEIJO
ENQUANTO TENHO TEU CORPO
LUZINDO TODO CONFORTO
AMANHECER EM FESTEJO

CONCENTRO TODO QUERER
ORGANIZO MINHA MENTE
MEU APETITE MEU PRESENTE
OBSECRAÇÃO MEU VIVER

ENCANTO DO ANOITECER
UNFANA, ORGULHOSAMENTE
TEUS BRIOS, DEVORANTEMENTE
ESCREVEM MEU PADECER

QUANTO MAS A SOLIDÃO
ÚNICA PRESENÇA A CALAR
ENCARNA MEU CORPO CÃO

RABISCO A OCASIÃO
INCONTAVEL DESDENHAR
AVESSO DO AVESSO, ESPERAR...


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Saudade à Augusto dos Anjos

A saudade me devora
Como necrose supurenta
E mesmo a cicatriz de outrora
É um sintoma que a tal aparenta


Se apresenta tal qual implora
Ao verme que experimenta
Meu sangue frio deflora
Parasita de tez sedenta


Carnificina saudosa vanguarda
Que decompõem a epiderme parda
Adiantando meu fim, verdade


Preservai somente, me guarda
Meu espírito no fogo arda
Pois não me resta nem dignidade


Saudade à Zé Limeira

A saudade é um fosco queimado
No rabo de um roedor
A saudade é isopor
Na boca de uma criança
É preso sob fiança
É prosa de cantador


Filolomia azavessa
Estrela que cai pra cima
Uns estalim de rima
Ponto final de conversa
Uma cagada sem pressa
Um arroz doce queimado
Cururu de amor inchado
É cururua cantando
A lua do céu olhando
Um bebo desengonçado

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Os olhos de Druantia



Ofusca-me faceira luz penetrante
Que com Rhá disputa radiante
O domínio desses servos teus
Minha apoteose, serei deus


Para estar ao teu lado, amante
Embriaga-me cada instante
Os olhos que Afrodite te deu
Meu sentido esmoreceu


Sou teu, deusa menina
Druantia de tez pequenina
Olhar faiscante clarão


Espera-me em horas clandestinas
E meu ser mortal então iluminas
E deixais que me perca sem razão

The eyes of Druantia

Dazzles me cheek piercing light
Rha dispute with that radiant
The area of these servants of yours
My apotheosis, I am God


To be by your side, lover
Intoxicates me every moment
The eyes that Aphrodite gave you
My sense faded


I am your child goddess
Druantia skinned little
Glaring eyes gleam


Wait for me in hours underground
And my mortal would be enlighten
And let me miss it because

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

FILLE DE LUMIERE

Les vents ils vous apportent Maures
Pour mes bras à nouveau
Et je regarde vos lèvres
Ceux qui se moquent course

Que la douleur se fanent
Vous êtes un don de Dieu
Je sens le basileus
Et d'une luminosité que vous décorez

Fille de lumière très brillante
Vesta afin enchanter

Tu es pour moi ce

Garanties Spark vie
Et Zeus enfant dans vos bras
Toujours jusqu'à la fin

LUZ MENINA

Que os ventos mouros te tragam
Novamente aos braços meus
E que eu veja em labios teus
Esses risos que afagam

Que as tristezas apagam
És um presente de Deus
Eu me sinto o basileu
Que de Luz e brilho te enfeitam

Menina Luz tao brilhante
Vesta de modo encantante
Tú és presente pra mim

Faísca que a vida garante
E Zeus em teus braços infante
Para sempre ate o fim

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Clareana

DO CANTO SE FEZ SORRIZO
DO SORRIZO A ALEGRIA
DA ALEGRIA POESIA
CAMINHO DE PARAISO
RESQUISCIOS DE IMPROVISO
VEREDAS ENVENENADAS
CANTIGAS DESENCONSTRADAS
LUGARES TAO FABULOSOS
DE GESTOS QUÃO ESPANTOSOS
ÉS MENINA APAIXONADA


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Aquantica só deles

As verdades nunca respondidas
As mentiras quem encobrem as questões
Demasiam inda mais as ilusões
E caracterizam outras tantas repartidas

E a crença nos deuses dessas vidas
Representados no brilho dos clarões
Essa ciência dividindo opiniões
Por palavras muitas vezes atrevidas

Pobres leigos a mercê dessas loucuras
Pobres fantoches, pobres criaturas
Cheias de sonhos e esperanças

Desse quadro sou mais uma figura
Que tem medo e padece amargura
Preferindo talvez só ser criança 



Silêncio!

Pedido, ordem, convite, necessidade.
Onde está o prato?
Os óculos escondem o rosto, passos rápidos, medo de quê?
Delírio melancólico, platonismo juvenil, falta a fome?O que é o tempo?
Cadê o pão?
O mundo deveria se apaixonar, grande solução!Mas como a loucura já faz parte do sistema o ideal seria mudar de paixão.
Silencio!
Um novo olhar. Tire os óculos, quebre o silêncio com coragem, responda aos questionamentos com atitudes, cidadão, fique alerta pra todas estas historinhas doces e sem imaginação. O tempo passa, os gritos são apavorantes.
Silêncio!
O meu bebê dorme!
Acorde! As paixões são perigosas e as dores um dia chegam.
Prato, pão, pranto!
Será que tem fim?
Não sei, alguns dizem que sim, outros consideram que o fim de tudo isso é imensamente improvável.
Gritem!Ele dorme
Muitos filhos dormem e em pranto resistem milhares.
Será que é pra sempre?


Lua Primeira
Daniela Florêncio

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Poesia, minha canção

Um som de bandolins encanta o canto
E o poeta de alma pura embebesse a canção
Como poesias claras cheias de emoção
Que caminham da alegria ao pranto

Que entoam em Sí bemol
Que falam das leis das sutis contravenções
Um frasco de formol em pó
Uma ilusão em meio outras ilusões

Assim se modulam poesia e melodia
Uma completando outra toda calmaria
Toda alegria dos sons de palavras puras

Numa audaciosa e simples vontade
Poesia e musica dão verdade
Aos sonhos de muitas criaturas




segunda-feira, 18 de outubro de 2010

embrionarias

havia um louco num caminho de pedras
um louco de pedra no caminho da pedra...


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Talvez a menina esteja apenas clamando por atenção, acenando em meio às lágrimas de sua face para a mulher que a abandona de forma abrupta.

Ter consciência da sua solidão é um desafio imenso, mas o que lhe fere não é a falta, na verdade é a presença vazia daqueles que deveriam está ao seu lado.
E quando menos sorrisos são concedidos,quando o mundo real lhe é apresentado à bonequinha de porcelana é que de fato encontra a felicidade,ou melhor, é quando ela vê que nunca havia sido feliz.
A vida que lhe foi apresentada como um belo quadro Renascentista agora lhe parece algo tão confuso e fascinante quanto uma obra de Dali.
A demolição das suas convicções lhe custa muito, poucos presenciam o seu sofrimento.
A menina é só uma menina cansada, cansada de brincar.
Brincar de ser mulher.

Daniella Florencio Siqueira - Lua Primeira

TORRÊNCIAL SONORIDADE

CAMINHOS ACHADOS LUGARES ANDANÇAS
SONHOS CABULOSOS DE VERSO INVERTIDO
SOU EU UM POETA? SOU EU ATREVIDO
SOU EU MAIS UM POBRE QUE TEM ESPERANÇA
SOU EU INOCENTE SOU EU A CRIANÇA?
ENTÃO ME PROPONHO A REALIZAR
NÃO ME IMPORTANDO PERDER OU GANHAR
MIGRANTE SONORO NA LINHA DO TEMPO
TORRES DE SONHOS MAIS UM PASSAMENTO
QUE SEMPRE COMEÇA NA BEIRA DO MAR


TORRÊNCIA SAGRADA DIVINA ALEGRIA
SONHANDO COM ARTE CONCRETIZADA
POETA BENDITO DE ALMA CRAVADA
NOS VASTOS CAMINHOS DA POESIA
PASTAGENS RIZONHAS GRANDE CALMARIA
EDFICIOS FANTATISCOS PARA IMAGINAR
FAROL DE ESPERANÇAS EU VOU ENCONTRAR
NOS VERSOS MAIS BELOS EM RIMAS CANTANTES
EU FALO MAIS ALTO QUE AUTO - FALANTES
NOS SONHOS QUE SONHO NA BEIRA DO MAR

JAELSON GOMES

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

AO ANETE VALE - UCA

Escute esse versos singelos
Falados por um simles professor
Que tem o orgulho dizer fazer parte
De um projeto tão inovado
Imaginar tão real realidade
É fantasia deparar-se com a verdade
Que é sonho de todo educador


Um mundo tecnologico
Na sala de aula presente
Viagens siber espaciais
De veredas envolventes
Fazer a aula espetaculo
E destruir todo obstaculo
Nos educandos da gente


Uma educação renovada
É o que agora vamos ter
Na palma de nossa mão
Acredite venha ver
A diferença se faz
Quando unimos ideais
Para o país crescer


Se a proposta é revolução
Então vamos revolucionar
Começamos por aqui
No estudante a preparar
Para um mundo de cobranças
Temos neles a esperança
De um bom desemprenhar


Trazer tecnologia
Para quem nao tem muito acesso
É mais que tudo construir
As escadas do progresso
Esperar assim no futuro
Clarear todo escuro
Um educar de sucesso


Um computador por aluno
Essa é a inovação
Projeto UCA presente
Como luva em nossa mão
ANETE VALE agadece
nosso educando merece
SÃO O FUTURO DA NAÇÃO

PARVULU TRABALHIS

meu brinquedo são enxada e terra
os meu jogos corta cana o dia inteiro
brincadeiras de cunho verdadeiro
e o cansaço no fim do dia encerra
os meus sonhos cortantes como serra
sou feliz mas nao tenho sorrisos
e o futuro é caminho indeciso
sou criança adulta na labuta
sou guerreiro inocente nesta luta
minha vida não tem sido paraiso

minha esmola esse mes nao tem chegado
triste sina de um pobre menino
mas parece que somente nordestino
nao recebe um NOEL tão esperado
produção ao patrão tenho entregado
pagfamento tão pouco escravo sou
e cantando, encantado vou
para casa onde volto a ser criança
reacendo de novo a esperança
ser a criança que o mundo projetou

quarta-feira, 28 de julho de 2010


Nenhum Argumento

Es tu a criatura mais pura
Que resplandece a estrada escura
É talvez o teu sorriso
A entrada do paraíso


Es um sonho nas alturas
És o fim das amarguras
És tudo quanto preciso
E não me sinto indeciso


Se o assunto é te amar
Ilumina-me o teu clarear
Nesse caminho caudaloso


Não me importo com o falar
Não quero a nenhum argumentar
Só quero teu amor bondoso

PARA SEMPRE DOM QUIXOTE

Caminhos perdidos lugares andanças
De sonhos brilhantes e tamanha ilusão
Cavaleiro de honra vagante canção
Medida perfeita mais uma balança
Historia quebrada que nunca se cansa
Gigantes moinhos eu vou conquistar
Dragão do abismo venha enfrentar
Um nobre guerreiro cavaleiro do rei
Donzela amada para sempre estarei
Vagando e cantado tentando encontrar


Valores resgato de livros em fim
Que escrevem o tempo que vou desenhar
Armadura encantada cavalo a andar
Para um dia trazer-te pra perto de mim
Dulcineia divina me queiras assim
Na minha loucura tão verdadeira
Não é fantasia não é brincadeira
Sou eu um herói sou eu cavaleiro
E tendo comigo um grande escudeiro
Pro sigo subindo por essa ladeira


De amores eu vivo tabernas de vida
Mas nunca me esqueço de minha missão
A minha nobreza o meu coração
A minha chegada a minha partida
Descanso um dia farei despedida
E minha loucura irei esquecer
Porem nesse dia prefiro morrer
Pois não me entrego sou insistente
Andante idílico sempre presente
Por toda a vida eu quero viver
Por toda a vida eu quero viver
Por toda a vida eu quero...
Por toda a vida... Viver.

domingo, 2 de maio de 2010

Recital no Colegio Cardeal em Arcovede

os poetas limerianos

Direito direto devemos deter

Reter rasteiras dádivas divinas
Maria moça mulher meninas
Querendo quando quereres querer
Vaiando voado vivendo viver
Sabendo saber sabia subir
Casaco de cacos caindo cair
Por parte das partes parceladas
Jogando jaguares de belas jogadas
Darei o direito de desistir




Rasteiro ruído respondo rebento
Respeite Raimundo rato roedor
Rua e rastros rumores ralou
Restos raquíticos raposos atentos
Rondando rápido rateios ruelas
Rainhas ranhuras roupas revelas
Rancores rodados ramalhetes ruins
Raparigas repletas rostos afins
Rirão do rasgo raspando remela